Follow by Email

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Essa tal "não-solidão" cibernética

Ultimamente ando pensando muito sobre muitas coisas, mas um tema em particular chama minha atenção. O que fazer com esta falsa "não-solidão" cibernética que nos assola? Todos os dias verifico uma quantidade enorme de pessoas conectadas de todas as formas por e-mails, orkut, facebook, twitter, msn... ficar só, ou ser esquecido parece algo impossível nos dias de hoje. Mas será que esta falsa percepção de etarmos sempre acompanhados, seguidos, ou que temos uma multidão ao nosso redor, supre realmente a necessidade de socializar do ser humano?! O que vejo é uma imensidão de solitários falsamente acompanhados. Não que eu seja contra estas "cybercompanias", pelo contrário! Ultimamente são as minhas mais fiéis acompanhantes! No entanto, percebo o quanto isso acaba me afastando das pessoas reais, teclo diariamente com uma infinidade de solitários, como eu, para nos sentirmos falsamente acompanhados... e percebo que as vezes fazem meses e até anos que não escuto a voz destas pessoas, não vejo a expressão do rosto, o brilho nos olhos... Sinto que esta falsa "não-solidão" cibernética nos deixa cada vez mais sós, isolados, cria uma multidão de scraps, msgs, emoticons, "twitts"... Mas nada de olhos nos olhos, de risadas altas compartilhadas, enfim... A sociedade moderna nos impõe certas particularidades, ao mesmo tempo que nos aproxima nos afasta. Fazer o o quê? É o preço que se paga...