Follow by Email

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Inconstantemente mim

Não entendo nada da vida.
Às vezes ela me sorri,
às vezes me apedreja.
Às vezes quer que eu faça,
às vezes quer que eu seja.
Só sei viver assim
insconstantemente mim
entre infinitos estejas.